Parler, não compartilha seus dados pessoais e não tem censura

Parler é uma mídia social imparcial que está chamando atenção dos conservadores


Atualizar

Saiba mais sobre a plataforma parler

Depois de vivermos muito tempo sob a censura e monopólio das redes sociais, basta olhar e ver que Mark Zuckerberg é dono das principais redes sociais do mundo, como facebook, instagram e whatsapp, agora surgi uma esperança, uma opção diferente, o parler, que chegou a agitar a internet, prometendo liberdade de expressão.

Moderado com base na FCC e na Suprema Corte dos Estados Unido, sem censura e imparcial o Parler permite que os usuários se conectem com colegas, leiam notícias, compartilhem conteúdo e discutam opiniões e interajam como uma comunidade online.

Muitos usuários já criaram os seus perfis na nova plataforma, inclusive o presidente Jair Bolsonaro e os seus três filhos, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

O fundador do Parler, John Matze, afirma que a procura maior de conservadores no sistema criado por ele acontece em razão das frequentes censuras sentidas por essa parte do público em redes já tradicionais como Twitter e Facebook.

Ultimamente o facebook, que já tem uma ideologia de esquerda, tem sofrido uma pressão absurda por parte de gigantes do mundo, como a coca cola e Unilever, que boicotaram a rede social proporcionando um prejuízo bilionário, o objetivo é pressionar a plataforma a se manifestar e lutar contra o que eles chamam de fake News.

Para muitos, existe um complô do próprio sistema político e dos poderosos de esquerda, para censurar e calar opiniões da direita, aqui no Brasil está a tramitar um Projeto de lei, nº 2.630/2020, chamado leis das fake News, que levantou debates sobre liberdade de expressão e exposição do usuário desnecessário.

O criador desse site também está presente no Parler, para seguir é só clicar no link ou nos procurar no @politicolimpo para nos acompanhar.