Eleitores paulistano terão que escolher entre as opções o menos pior para prefeito em 2020

Eleitores de São Paulo vivem um dilema, escolher a opção menos ruim

Atualizar


Lembre-se, seu voto é o mais alto e eficiente grito contra a corrupção.


A situação dos Paulistanos é de cortar o coração, tristeza profunda quando olhamos os candidatos.

A situação dos Paulistanos é triste, principalmente os Direitistas, quando se trata das eleições municipais de 2020, como diz o ditado, “Se correr o bicho pega e se ficar o bicho come”.

Temos um cenário político que o perfil do eleitor mudou, muitos passaram a acompanhar e participar mais da política, em um momento que os eleitores buscam conhecimentos e a informação deixou de ser monopólio das mídias tradicionais, o conservadorismo está crescendo e a direita cada vez mais forte no Brasil.

Os conservadores não se veem representados por nenhum dos pré-candidatos a prefeito de São Paulo, as opções são não passam confiança e muitos já manifestam sua insatisfação nas redes sociais.

Alguns Pre-candidatos para Prefeito de são Paulo


1-Bruno Covas

Seguindo a cartilha Doriana, temos o Prefeito Bruno Covas (PSDB), que tentará a reeleição após cair de paraquedas e herdar a prefeitura assumindo o cargo em 2018. Durante a pandemia Covas se perdeu na Administração e com João Dória muito judiou dos paulistanos.

Não liberaram a hidroxicloroquina no início do tratamento contra o coronavírus, causou transtornos no trânsito quando trancou ruas e avenidas, prejudicaram muito os empresários e os empregos estendendo o isolamento e uma quarentena sem resultado, criaram leis abusivas, prenderam e multaram trabalhadores e pessoas de bem.

2-Joice Hasselmann (PSL)

A Deputada Federal Joice Hasselmann (PSL), que foi eleita se agarrando em Bolsonaro, depois o abandonou, possivelmente sairá candidata a prefeita por São Paulo, não tem chance por que traiu seus eleitores quando resolveu abandonar o Presidente.

3-Márcio França (PSB)

Ex-vice-governador de Geraldo Alckmin em São Paulo, França ocupou a cadeira de governador do Estado em 2018 após o tucano anunciar sua candidatura à Presidência da República. Foi candidato a governador e, com 21,5% dos votos válidos, chegou ao segundo turno contra o candidato tucano João Doria, que foi eleito com 51,75% dos votos válidos. No entanto, França obteve 58% dos votos na capital, contra 42% de João Doria, apesar de ser Petista, o que torna ele uma péssima opção,seu nome é forte para a disputa da Prefeitura.

4-Guilherme Boulos (PSOL)

Líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto e a frente das principais mobilizações de rua de movimentos sociais, dispensa comentários, horrível opção.

5-Haddad

Fernando Haddad, Outro esquerdista e Petista conhecido como Poste do Lula, já sabemos e conhecemos muito bem seu trabalho e sua intenção, seria um bom nome para síndico de condomínio.

6-Celso Russomanno

O deputado federal Celso Russomanno deve concorrer à Prefeitura de São Paulo pela terceira vez. Russomanno fez carreira como jornalista e apresentador de TV e atualmente exerce o sexto mandato na Câmara dos Deputados, em Brasília. Ele foi candidato à prefeitura de São Paulo em 2012 e em 2016, mas nas duas vezes foi derrotado. Na última eleição, acabou em terceiro lugar, quando João Doria (PSDB) foi eleito com 53,2% dos votos e Fernando Haddad (PT) ficou em segundo com 16,7%. Seria em minha opinião a opção menos pior.

7-Orlando Silva (PCdoB)

O deputado federal aparece como provável candidato à prefeitura paulistana pelo PCdoB. Historicamente ligado a chapas petistas. Silva, uma mistura de Centrão, PT, PSOL e esquerda numa só pessoa, foi vereador, ministro do Esporte de Lula, Dilma e deputado federal. Na Câmara dos Deputados, foi vice-líder do governo de Dilma Rousseff entre 2015 e 2016. Atualmente, exerce seu segundo mandato como deputado.


Arthur do Val

Arthur Moledo do Val, também conhecido pelo seu pseudônimo Mamãe Falei, é um político, ativista integrante do Movimento Brasil, surfou na onda direitista, depois que ganhou abandonou as pautas conservadoras, diziam-se apartidário, porém, existem áudios vazados de 2016 do líder do MBL, Renan Santos, admitindo que partidos financiaram o movimento, minha opinião é que hoje o MBL é uma mistura de centrão com PT, críticos ao presidente Bolsonaro, não são dignos de confiança.

Felipe Sabará

Felipe Sabará caiu de para quedas, assim como João Amoedo, que se diz “Novo” e de novo não tem nada, o povo brasileiro não se ilude mais com oportunistas, é necessário lutar pelas pautas em favor do povo desde sempre, se manifestar, gravar vídeos e mostrar a cara, aparecer em época de eleição já tem um monte.

Levi Fidelix

Levi Fidelix aparece como uma opção, porém, nunca conseguiu conquistar o povo brasileiro, não tem estrutura e acho até que o sistema já o engoliu há muito tempo, Levi Fidelix não passa de versão homem da Marina Silva, ressurge de quatro em quatro anos.

Andrea Matarazo (PSD)

Andrea Matarazo (PSD) é a velha política, centrão e para piorar, não sabemos nada sobre suas ideologias, apoiado nada menos por Gilberto Kassab que é alvo de processos na justiça e investigações. É mentira que Matarazo tem apoio dos Bolsonaristas, infelizmente a Direita hoje não tem representantes nas eleições municipais para São Paulo.